quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Imigrantes alemães no Rio Grande do Sul, boas lembranças.





Passado o ano novo - durante muito tempo -  meu destino , com minha mãe e meu irmão Gondil, era o Pinhal. Sempre.
O que minha memória recorda me remete  para final da  década de 60.
Lá vivia minha vó Carlota Hortência Albrecht Kurtz. Mãe da minha mãe, óbvio.

No pequeno sítio dela brincávamos com os netos do Roth. 
Não do  competente treinador.
Nesse caso a família era dona  de uma importante rede de varejo em  Santa Maria.  
Futebol, sem grenalização. Noite sem luz mas, com muita alegria.

A vó contando histórias de seus  antepassados quando chegaram no  Pinhal( hoje Itaara)   em meados de 1854. Jacob Albrecht, João Albrecht e João Henrique Kurtz (esse dois últimos avós de minha mãe) que  contribuíram para a história do hoje município situado mais ou menos 20km de Santa Maria.

Entre as histórias que contava sempre se referia aos primeiros sinos, não católicos, trazidos para o Brasil por João H. Kurtz  em 1885 , colocados na igreja do Pinhal ou melhor em Itaara.

Até hoje, é possível visitar a igreja e conhecer, ao lado, a escola que minha mãe e seus irmãos e muitos outros jovens  estudaram na década de 30.

Fruto das duas guerras parte dessa memória foi, lamentavelmente, perdida.

Tenho um máquina de costura  em minha sala ,de 1897. 
Não sei de quem herdei. 


Um desenho da casa  na qual minha mãe nasceu, de 1926 também esta em minha sala.

Poucas lembranças. Água de poço ,  o carinho da vó Carlota e o da Dileta. 



Quem disser que alemães são frios não conhece nenhum alemão ou descendente. Pelo menos das famílias Albrecht e Kurtz.

Orgulho dessa história.
Hoje, 20 de setembro de 2017 - ano dos 160 anos da chegada dos Albrecht em Santa Maria atualizo esse post com uma foto do avó de minha vó - Carlota Albrecht - e , também com uma assinatura do mesmo. Essa é uma das faces bacanas das plataformas digitais. Encontrei pesquisando no oráculo Google. Na época , quando postei, não havia localizado.



Viva La Vida. Trilha com Cold Play.





sábado, 26 de agosto de 2017

Que país é este ?


Todo mundo viu ou leu sobre mais esse absurdo do lixo político brasileiro: deputados do Mato Grosso recebendo sua "mesada". 
Oito deles foram gravados pelos próprios parceiros. 


Os R$ 600 mil , pagos em 12 parcelas, era uma contrapartida para dois "favores". Aprovar as contas do ex-governador Silval Barbosa e não criarem dificuldades para a continuidade das obras da Copa.


Enfim, trouxe esse fato para convidá-los a fazer  uma reflexão ou melhor mais de uma.  
1. Por que motivo perdemos a capacidade de nos idignarmos com tais fatos criminosos ? Pior,isso não é de hoje. Vamos relembrar, rapidamente, alguns desses escândalos. 
a) Anões do Orçamento. Década de 80 e início dos anos 90. 
Valor desviado R$800 milhões;
b) Juiz Lalau, 1992/1998. R$ 2 bilhões.
c) Jorgina de Freitas, 1991. R$ 2 bilhões.
d) Vampiros da Saúde, 1990/2004. R$ 4,08 bilhões.
Para fechar o mais recente: Lava Jato. 
Valor desviado R$ 43 bilhões. Prejuízo para Petrobrás de R$ 88 bilhões.
A outra reflexão: será que é só uma parte (talvez maior) da classe política que tem esse DNA da corrupção, do jeitinho , de Gérson e do tradicional "jeitinho" brasileiro ? 
Olhando para o nosso cotidiano vamos perceber que tem vários pequenos atos que demonstram que a tese "esta no DNA da maioria dos brasileiros" faz sentido.
Alguns exemplos que presencio seguidamente.
- Supermercado com caixa para até 10 volumes. 
Seu eu fosse contar teria que anotar caso contrário me perderia. 
Na última vez , loja localizada num shopping de classe média alta, um casal de mais ou menos uns 30 anos e no carrinho  19 ítens. 
Estavam na minha frente  e já  colocando as compras na esteira. 
Bati nas costas dele  e ato contínuo  se virou. 
Perguntei: sabes ler? Ele hein? 
Disse , de pronto,  nesse caixa o limite é 10. 
Ele  continuou descarregando e disse para a caixa. "Passa 10 primeiro eu pago e ai você passa os outros 9." Se virou , me olhou e riu.
 Outra da série eu vi.


Lidera a categoria "não dá nada".
Estacionar em vaga para portadores de deficiência.


Esse é o carro da Secretaria da Saúde de São Paulo(essa não vi)
Foi o manobrista que estacionou no lugar "errado" e dessa maneira??
Ainda da mesma categoria: estacionar na faixa de segurança.


Sem querer fazer juízo de valor  chama à atenção , nos casos que presenciei, que todos dirigiam carros de luxo. 

Enfim, precisamos não só falar mais sobre e sim agir sobre.
Trilha não poderia ser outra.
 https://www.youtube.com/watch?v=WREjVCvjc_Y

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Cooperar, modestamente, contra a absurda realidade do feminicído em Porto Alegre



Quando você consegue combinar sua atividade profissional com causas que gostaria de cooperar é o melhor dos mundos. É o caso que compartilho com vocês. 
Existe um movimento mundial, O Mundo Unido Pela Vida , promovido pela Alpar (Associação Latino-Americana de Cemitérios Parques e Serviços Funerários) que já acontece faz cinco anos. No ano passado foi realizado em 23 países e participaram mais de 30 mil pessoas. 
O grupo Cortel,nesse ano, esta promovendo uma ação- no dia 20.08  - para chamar a atenção sobre um tema crítico: feminicído. Em Porto Alegre, em 2016 ,foram 359 entre tentativas e homicídos. 



Se vocês tiverem tempo confiram nesse domingo das 10h às 14 na Redenção ao lado do Monumento ao Expedicionário.
Fotos da visita ao  Presidente da Assembleia Legislativa do RS, Edegar Pretto, feito pela Diretora do Grupo Cortel , Renata Azevedo Flores e nos outros e o jornalista Beto Bottega. Na ocasião o Presidente ressaltou o trabalho relevante feito pela ong heforshe. Nós, homens  de bem , precisamos despertar para esse tema e contribuir com a extinção dessa triste realidade que coloca o Brasil em 5o lugar ,no mundo, em feminicídio.
Trilha: Mestre Milton Nascimento. https://www.youtube.com/watch?v=IElS9cxpImA

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Claudinho Pereira e Mauricio Alberto Kaisermann . Avec elegance.


Particularmente creio que o bacana da vida é sempre aprender. Tive a felicidade , desde do convívio com meus familiares respeitar essa verdade e , obviamente , aprender além família. Mais ainda: com pessoas que nem tenho convivência diária. É o caso do talentoso amigo Claudinho Pereira. Quando comecei a conviver no mundo da comunicação ele já era o "Claudinho". Sempre brilhante,  e de uma simplicidade única. Hoje , ao meio-dia , estava na Vossa e recebo um mail dele sensacional pra quem curte música e novidades. Enviou um clip , versão , de um clássico do Maurício Alberto Kaisermann que ele recebeu do competente compositor e escritor Paulinho Lima. Aliás , autor do livro Anjo do bem. Gênio do mal. Título que faz parte da letra de um hit da Zizi Possi. 

Recebi o mail e fui pra web e ver onde tinha esse clip. Não encontrei. Mandei mail para o Claudinho e a resposta foi dez:

Informação é poder e a verdade é sempre revolucionária.
Curtam ai essa versão sensacional Gracias Mestre Claudinho.
https://www.youtube.com/watch?v=q59XID4VCps&feature=em-share_video_user


domingo, 30 de julho de 2017

Ah o Gambrinus....sempre Gambrinus


Minha família veio de Guaporé  para Porto Alegre em 1972. Já em 1976 comecei a frequentar o Mercado Público . Para ser mais preciso: banca 40 para degustar os seus , ainda hoje, deliciosos sorevetes. Passado alguns poucos anos comecei a frequentar ainda mais pois, meu colega de Julinho - Vilmar Gomes - era proprietário de um restaurante lá. Em 1983  comecei a trabalhar na agência Artefacto (dos competentes amigos Antônio Borowski, Cado Bottega e Luiz Henrique Rosa ) que , além de agência , tinha um jornal chamado Z4 que circulava na Zona Sul. Em 1985 , por ideia do Borowski, foi criado o troféu Z4 para reconhecer personalidades que moravam na zona sul de nossa ciadade. Um dos agraciados , entre vários relevantes (entre eles o Mauricio Sirotsky(, foi o brilhante Ari Burger. Fruto dessa premiação tive a oportunidade de conviver com ele e conhecer o hoje amigo e irmão André Burger(filho do Ari). 
Buenas dito isso quero registrar que conheci e passei a conviver no Gambrinus graças ao nobre amigo Ari Burger.



 Isso é 1986. Naquele ano almoçava no restaurante , várias vezes , para aprender com o Mestre e sábio Ari. Nossas conversas , nas quais eu só  aprendia , me fizeram mergulhar, também, no universo "Gambrinus". 


Conheci o Antônio, proprietário, que virou meu amigo e um dos meus ídolos - na gastronomia da capital. Ontem , depois de mais de um ano voltei lá.



 Dizer o quê? Dez. Sob o comando do João Alberto e demais colaboradores digo: continua sensacional. Santè. 
Trilha com o talentoso Plauto Cruz que partiu faz pouco. 
https://www.youtube.com/watch?v=BMfUQsfp4e8

domingo, 23 de julho de 2017

Luisa Ha"rtlová de Nymburk para Porto Alegre.



Uma das faces bacanas do intercâmbio entre estudantes é a possibilidade de conhecer novas culturas e dialogar com jovens sobre sua perspectiva de mundo e sobre sua futura profissão. Foi o que aconteceu ontem, sábado dia 22 de julho, aqui em casa. 



Minha filha , estudante de medicina na PUC/RS, esta recebendo em sua casa à estudante do mesmo curso a jovem Luisa. Ela nasceu em Nymburk uma cidade localizada na região da Boêmia Central daquele país. 



Esta no quarto ano do curso na  Palacky UniversityOlomouc. Mas teve um ponto que nos aproximou mais ainda (tanto eu quanto a Luciana): ela é apaixonada por hipismo e pratica esse esporte único na https://www.jkobora-podebrady.com/ilona-kopecka. onde , inclusive, tem destaque nesse site. 





Salta 1,10 m e pelas fotos que vimos ela é do "ramo". 



Dito isso fui pesquisar sobre o perfil do universo das mulheres tchecas e encontrei um texto de uma jornalista gaúcha, Isadora Costa, que (segundo o texto de 2016) vive tem 6 anos lá. No artigo ela fala o que aprendeu com as mulheres tchecas. Por exemplo: 1) não sentir vergonha do próprio corpo; 2) Ser independente em todas areas da vida; 3) Sem frescuras; 4) De igual para igual. Vale conferir: http://www.brasileiraspelomundo.com/republica-tcheca-algumas-licoes-que-aprendi-com-as-mulheres-tchecas-031527726
Buenas agradeço a Luisa e Luluka pelo encontro (um churras) de ontem e principalmente me proporcionarem conhecer um pouco da relevante cultura da República Tcheca. Valeu.
Vento negro eu sou. Quero lutas guerra não.Erguer bandeiras sem matar. ...quem vai embora tem que saber é viração...
Trilha: um clássico do Rio Grande do Sul em homenagem a querida Luisa.
https://www.youtube.com/watch?v=NKfOnpw6Vu4




sábado, 22 de julho de 2017

Mestre e Professor Azevedo partiu.


Se você acredita que a vida é uma rotina previsível ledo engano seu. Nos  reserva momentos inesperados. Alguns consideram inexplicáveis. Me enquadro no outro extremo. Qual ? Explicáveis. Não pela razão. Teria alguns exemplos para comprovar tal lógica ou nada lógico. 
Escolhi um fato que permitiu conhecer uma pessoa que foi , sim ele partiu ontem, importante no aprimoramento do meu modesto pensar e viver. Me refiro ao querido amigo e Mestre Professor Antônio Carlos Pradel Azevedo. 
Conheci ele graças a amiga Ana Cássia Henrich e Heitor Kramer em 1999 numa van indo para Santa Cruz. Naquela época a RBS tinha um ciclo de debates , com foco na area de marketing. Convidaram ele e eu para participarmos de um encontro na universidade daquela cidade. Saímos daqui , de Porto Alegre, no meio da tarde. Fomos apresentados já na camionete. Sentamos um de frente para o  outro (aliás que coisa chata viajar "de costas" para o trajeto...rsrsrs). Conversa vai conversa vem e eis que ele me diz que foi professor de biologia do curso pré-universitário Mauá - além disso, por ser muito modesto não comentou que foi um dos fundadores. Nesse momento perguntei: então podes ter conhecido meu tio Gilberto Jorge Gonçalves? Ele disse: sim e adorava ele. Fomos e voltamos, na viagem, falando sobre o meu tio e ele me contando que havia deixado a educação formal para trabalhar como consultor empresarial. Não mais um consultor. Com uma escola absolutamente rara naquela época.


Trabalhando com Pensamento Complexo de Edgar Morin e outros relevantes pensadores. Em 2000 iniciou um trabalho revolucionário na Upper que nos levou a conquistar o 1o e único Leão de Ouro em Cannes (a  mais importante premiação da propaganda mundial) de uma agência do Rio Grande do Sul.
Muito aprendi com ele sobre Edgar, I Shing e saber viver. Um intelectual, um pensador com muita grandeza e simplicidade. Até agosto do ano passado era consultor da Vossa ( empresa que trabalho hoje). Aos 82 anos ia uma vez por semana trabalhar duas horas. Ia de ônibus. Cumpria sua tarefa com a equipe e depois ficava lendo os jornais e fazendo Sudoku. 
Agradeço o privilégio de ter aprendido muito com ele. Ele partiu na madrugada do dia 21.07. Dormindo. 
A foto do barco de papel ganhei dele o livro também.
A foto ,com meus sócios da Upper (Cado Bottega e Henrique Rosa), com o Leão de Ouro de Cannes é em homenagem a sua contribuição para tal conquista. Aliás , entregamos o diploma de Cannes para ele como reconhecimento.


Outra foto, abaixo, foi feita quando realizamos um encontro com talentos da propaganda brasileira para comemorar tal conquista. Convidamos Márcio Ehrlich, Ehr Ray e Rafael Sampaio.
Não publiquei foto do Azevedo pois não possuo. Ou seja, fizemos tantas atividades bacanas que não tivemos tempo para fotos.

Trilha para o querido amigo e Mestre Azevedo com outro Mestre.
https://www.youtube.com/watch?v=fDio3_1AaJ8


sábado, 20 de maio de 2017

Encontro com Filipa Pato. Não fui mas adorei.


Sei você deve estar dizendo: como assim ?
Explico.
Ontem essa competente enóloga portuguesa esteve na sede da Porto a Porto , de Porto Alegre, para mais uma "aula" aos profissionais da gastronomia e apreciadores dos bons vinhos.


Chegou na capital gaúcha depois de paradas em São Paulo e Curitiba onde lançou o Post-Quercus um novo rótulo da vinícola assinado  por ela e seu marido o sommelier William Wouters.


O Post-Quercus - ou depois do carvalho -  é elaborado com a uva Baga , da região de Bairradas, e repousa em ânforas de barro. 


Voltando ao encontro ,de ontem, na Porto a Porto foi mais uma atividade que a empresa promoveu  proporcionarando  experiências ricas e qualificação aos profissionais da enogastronomia do Estado. 


Vale um registro de reconhecimento a emrpesa, por sua filosofia empresarial voltada para o mercado. Claro que seus profissionais desde o tempo do Hugo e hoje com o Rodrigo e André Luiz são fiéis implementadores de tal conceito.


O encontro foi impecável e com muito aprendizado irrigado pela  competência, simpatia  e simplicidade da Filipa Pato.


Ah para explicar: 
tinha sido convidado no entanto um compromisso profissional, muito importante não me permitiu participar. Só de ouvir o relato de alguns conhecidos que participaram reafirmo: adorei.
Para fechar tive a felicidade de ser apresentado a Filipa em 2012, pelo amigo André Luiz, no Barranco e recebi essa mensagem bacana.


Trilha com Julieta Venegas (que me lembra um pouco ela) & Marisa Monte.

https://www.youtube.com/watch?v=ICYw_AXhpng



terça-feira, 16 de maio de 2017

Referências para ler, ouvir e até contestar.


Para contextualizar digo que  esse post carrega um pouco do meu Dna. 
Explico. Filho de jornalista(João Alberto Gonçalves) sobrinho de jornalista (Abel Gonçalves) e pai de mais um novo(João Praetzel) . 
Dito isso quero registrar meu agradecimento  a   dois brilhantes profissionais. 
Não por que , eventualmente fizeram algum registro ou me convidaram para participar de uma atividade ou programa.
Mas, sim , pela competência e postura inovadora que conduzem suas trajetórias.
Me refiro a Marta Sfredo de Zero Hora.

Uma das melhores jornalistas de economia do Brasil.
Sim.
Um trabalho consistente e independente. 


Orgulho do jornalismo de exceção.
Outro 
Diego Casagrande.
Melhor programa de rádio hoje no RS.

Defende suas convicções com uma consistência relevante.
Uma raridade, hoje , no radiojornalismo.
Feliz com o registro da Marta.
E, igualmente por ter participado do Rádio Livre hoje.
Trilha:  
https://www.youtube.com/watch?v=7K0SAPZwpLw&list=PLuAAZWzru38nxaNiRFg4kKbTHquXzaZjN

sábado, 13 de maio de 2017

Messias, Humphrey e amigos


Uma das faces bacanas de conviver com os confrades do Humphrey Cigar Club é a possibilidade de relaxarmos no final da tarde falando da pauta do dia (nos últimos nem preciso referir qual é..rsrsrs ). 
Na foto acima da esquerda para a direita: esse escriba, Messias, André Luiz, Antonio Oliveira e Daniel .
Mas, tem outra peculiariedade: conhecer novas pessoas que tem como link  o prazer pelos puros de Havanas ou por sermos discípulos do Baco.
Foi o caso dessa semana.
Para nossa alegria conhecemos um dos descendentes do fundador, Messias Baptista, da Cave Messias. O  senhor Messias Vigário -da terceira geração dessa quase centenária e qualificada  vínicola portuguesa.


O Messias é de uma simplicidade que faz jus ao nome que possui.
Claro, que essas oportunidades acontecem fruto da diversidade do público que frequenta o HP. A presença dele é crédito  do confrade André Luiz Oscar, da Porto a Porto importadora da linha Cave Messias no Brasil.


Aliás , essa semana , tivemos também um outro encontro bacana no HP. Reunião da confraria para um encontro e aprendizado de  harmonização do vinho  Jerez e Brandys com charutos . Teve a presença do Rodrigo (da Porto) que falou, com competência,  sobre harmonização do referido vinho  com puros de Havana e gastronomia.





Buenas voltando ao Messias: na minha saída ele , generosamente, me fez um convite "formal" para visitar a vinícola na Mealhada e comermos um leitão a Bairrada.

É ou não é um Messias ?
Valeu André e Toninho. 


Trilha com a talentosa cantora portugesa. Mariza. Melhor de mim. 
 https://www.youtube.com/watch?v=2UDZH_Htpq8

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Um esporte único. Amo.


Faz 15 anos que aprendi a curtir , respeitar e até praticar esse esporte único. Começou com minha filha, Luciana, que intuitivamente começou a frequentar uma das melhores escolas de hipismo do Brasil:
 Sociedade Hípica Portoalegrense. 

Teve aula com feras. 
Não vou citar todos pois certamente posso esquecer de alguém. 


Neste final de semana aconteceu a 49a edição do The Best Jump. 


Muito feliz por ter assistido , na companhia, dos meus amados filhos Luciana e João mais essa edição. Aliás, comecei a frequentar aulas na Escola para acompanhar meu filho Johny.
Ter conferido  a vitória de um jovem talentoso Felipe Amaral.


Além disso, encontrar amigos e amigas  muitos queridos .
Um grande evento que só existe em funçao de  figuras raras que se  dedicam , de longa data, na sua realização. Jorge Gerdau, João Mazaferro, Julio Rabelo e tantos outros. Mais uma edição vitoriosa rumo aos 50 anos.
 Privilégio , para a Vossa, de participar como apoiadora. 

Tirlha: EWF: https://www.youtube.com/watch?v=gL2MsEbrtgI