sábado, 31 de março de 2012

Pé, cavalo ou água.




As marcas, que referi no caderno do JC da última segunda, estavam dividas por um critério pessoal muito simples. Marcas que já curti, curto ou desejo curtir.
Hoje ,com o mister Google. todo mundo pode conferir qualquer referência citada em artigo ou qualquer outra peça. 
É óbvio, e legal ,que os leitores tenham feito isso. 
No meu caso cada uma das citações tem algum link seja de vivência ou de desejo.


Dr. Scholl´s. Lembro , como se fosse hoje, dessa marca ligada a minha infância. Meu pai e mãe viviam comprando palmilhas. Tudo a serviço da correção ortopédica. O slogan da marca ,hoje, é muito  engraçado. Para não dizer outra coisa: De PÉ (sim em caixa alta) com a vida.  É ou não é ?


Fundada em setembro de 1939, há 72 anos , a Sociedade Hípica Porto Alegrense é a materialização do sonho de um grupo de apaixonados por cavalos e amantes dos esportes hípicos. É inegável que o grande salto que a entidade realizou tem o toque do empresário Jorge Gerdau que em 1969 criou o concurso hípico internacional Cidade de Porto Alegre, hoje conhecido como The Best Jump. 

Além de sediar esse importante concurso a SHPA tem uma das melhores escolas de hipismo e contribui ,de maneira decisiva. para formar novos amantes do esporte e , também, novos atletas.


Ko Lanta,
 Uma das ilhas mais bonitas da Tailândia. Sol, mergulho e boa comida.  
 Quero muito curtir. Tá na agenda.
A ilha de  Ko Lanta é um daqueles destinos no sudoeste asiático que fazem acreditar que ainda pode haver turismo de qualidade. Sem confusão , sem en­chentes,  sem espreguiçadeiras de plás­tico alinhadas na praia; mas com sol, calor, praias desertas, exotismo e uma paisagem muito tropical.


Ko Lanta não tem mais de 32 km de compri­mento por seis de largura. Nesse es­paço há longos areais e uma gran­de selva alinhada ao longo da cos­ta.
A ilha é perfeita para os fãs do mergulho, e é claro pra quem admira a excelente culinária tailandesa. Espero , assim que possível , curtir esse destino para mergulhar na maravilhosa culinária e por tabela vivenciar  outras maravilhas da ilha.
Trilha com Skank, Vamos Fugir. http://www.youtube.com/watch?v=mBJM59iMjN8

quinta-feira, 29 de março de 2012

Marcas, Marcas, Marcas..



Domino´s.
Já fiquei com a dita. 
Larguei o trash food e vivo melhor. 
Não bastasse essa face, lembro de outra- em 2009 -  onde a marca vivenciou um momento de crise e gerenciou de maneira equivocada.

 Face Book
Genial mas, dá pra viver sem ele.


Infinity G Coupe
Carros esta no meu dna seja por opção pessoal, trabalho ou sonho. Acho a marca , obviamente o design do carro, espetacular. 
Daria até um tema de campanha. Aliás, feito por outra marca.
Trilha com A-Ha Hunting High And Low. http://www.youtube.com/watch?v=s6VaeFCxta8&ob=av2n

quarta-feira, 28 de março de 2012

Marcas de Quem Escolhe, II



Dando sequência aos desdobramentos do “quase artigo” do Marcas de Quem Decide do JC.
Fiquei:  Blockbuster. Uma marca que já foi ícone quando o mundo ,do entretenimento, era analógico.

Claro, que ela se alinhou as práticas digitais e contemporâneas. Mas nesse novo mundo , descartei. É uma  honesta “ex”. 

Fico:Expand, uma marca que , na minha opinião , estabeleceu o conceito de wine store e influenciou dezenas de outras. Adoro vinhos. Brancos, tintos, roses. A marca que me “expandiu”  para  esse prazeroso mundo foi ela. 


Sonho ficar:  Harley-Davidson. Essa não precisa explicar. Se você não gosta de motocicletas conhece a Harley. No mínimo conhece a força dessa marca.
Trilha com 14 Bis e Beto Guedes. Caçador de Mim. http://www.youtube.com/watch?v=QBhvUF_Jzyk&feature=related

segunda-feira, 26 de março de 2012

Confie. Sempre.



O mundo digital é sensacional. Cada dia ou melhor,cada clic você conhece algo novo. 
No entanto, o novo nem sempre pode ser legal, bacana e confiável. 


Na modesta opinião desse escriba a regra que vale no mundo analógico, também, vale no mundo digital. Vai dizer que não ? Quando você vai viajar a primeira atitude é falar com alguém que já esteve no seu próximo destino e perguntar: qual a tua dica? 


Você quer uma dica confiável. 
Pode ser que na volta  diga: o restaurante tinha uma gastronomia dez mas, o atendimento foi nota sete. 
É do jogo. 
Dica dos seus tem preferência. Sempre.
Graças a minha amiga Karin Rowell , da Otto ID, conheci  o novo blog  Confiesempe, http://confiesempre.com.br/
Vale conferir.


domingo, 25 de março de 2012

Fiquei. Fico ou Ficarei.



Legal que você tenha vindo até o Kurtpensar fruto do meu , quase, artigo no Caderno Marcas de Quem Decide do Jornal do Comércio de Porto Alegre. 
Estarei postando breves registros sobre as marcas que já fiquei, fico ou ficarei.

Já fiquei com Bamba.
Pra começo de conversa vale uma correção: não é Bambas e sim  Bamba, o tênis. A marca surgiu um ano antes de meu nascimento. Ou seja, 1961. Usei muito. Ele e o Kichute (que marca!). Era fabricado,  o Bamba, em lona e borracha. Ia para o Ildefonso Gomes e Julinho com ele.  Bons tempos.

Fico com a Barilla.
Marca de massas fundada em 1877 na cidade de Parma  por Pietro Barilla. Spaghettini n3 ou Farfalle são minhas preferidas. 
Toda semana , pelo menos uma vez, degustamos aqui em casa . Descendente de alemão, prefiro uma italiana. Na mesa e em outros lugares. Grano duro , sem dúvida nenhuma. Alho e óleo ou um bom molho de tomate. Não tem erro.

Ficarei no Boeucc.
O pouco do que sei sobre gastronomia aprendi com o Rafael Sampaio. Foi ele que me indicou vários restaruantes  pelo mundo afora. O cara conhece tanto da melhor gastronomia internacional,  quanto de propagnda. Fera. Estimulado por ele sempre navego em sites de bons restaurante.


Foi assim que descobri o Boeucc em Milão. 
Tem mais de 300 anos. www.boeucc.it
Trilha com Tim Maia. O Descobridor dos Sete Mares.
http://www.youtube.com/watch?v=xWSllse5Q2I

quinta-feira, 22 de março de 2012

Via Marte, ideia muito bem realizada.



A boa propaganda merece registro. 
Uma boa ideia, bem realizada, não tem preço.
É o caso da nova campanha da Via Marte assinada pelo talentoso Álvaro Beck.
Parabéns Álvaro e equipe. Parabéns pra Via Marte e  para agência.
Boas ideias não se "criam", se não forem entregues pra gente de primeira. 

domingo, 18 de março de 2012

“Não gostava de dança”. Win Wenders no Estadão hoje.



É balé ? É teatro? Ou é simplesmente vida? 
São esses os questionamentos que apresentam Pina, documentário em 3D do diretor alemão Wim Wenders. 


No Brasil  a produção tem  estreia oficial  no dia 23 de março. 
Indicado ao Oscar 2012 de melhor documentário, Pina lança um olhar sobre o trabalho da coreógrafa alemã Pina Bausch (que morreu aos 68 anos, em 2009), por intermédio de sua companhia, a Tanztheater Wupperta, que segue na ativa.


Um dos grandes nomes da dança do século 20, Pina revolucionou a arte ao levar ao palco o seu teatro-dança, uma forma de dançar que destaca o lado humanístico das coreografias, e aceita toda a sorte de movimentos e gestos. Suas coreografias eram criadas de maneira colaborativa e traziam inspirações das cidades por onde a artista passava. 


Outro ponto alto nas obras de Pina era o palco, que ganhava elementos externos, como água, terra e pedras gigantescas.
No filme, Wenders abre espaço para que as criações de Pina falem por si.
Outro ponto que merece atenção é a utilização da tecnologia 3D em um longa dito de arte, uma vez que a maioria das produções que usam essa técnica até o momento tende a ser obras de aventura e animações, com foco no público mais jovem. 


Com isso, Wim Wenders se torna um dos primeiros diretores de renome a ir contra o estigma das produções feitas em três dimensões e aproveitar, sem preconceito, o que de interessante a tecnologia pode oferecer.
Ainda bem que o talentoso Win Wenders não gostava de dança até conhecer a Pina. Mudou. Para sorte de nos outros.


Curtam:
Trilha com Celia Cruz e Guantanamera


sexta-feira, 16 de março de 2012

Duda Melzer e uma happy aula.


 
Em 15 de março de  1962  o presidente americano John Kennedy institui o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor. Configurou  os fundamentos de uma nova relação entre fornecedores e consumidores no mundo todo estabelecendo quatro direitos fundamentais: direito à segurança, informação, opção e à ser ouvido. Nesse cinquenta anos muito se brigou para a vivência desses conceitos. Considero o mais importante , desses direitos, o de opção. 

O exercício dele só foi e , é possível, graças ao mundo da comunicação. Refiro-me ao acesso a informação – seja ele editorial ou publicitário – somado ao pilar estratégico desse universo, que é a competição empresarial. 
A arena central desse embatel é a mídia em suas várias faces. 
A capacidade das organizações de se comunicarem e  construírem suas marcas, na mente e no coração dos consumidores, esta na mídia. 

O ponto de venda, a última milha , é o round final de uma disputa construída por competências estratégicas e táticas. Produto, preço , distribuição são vitais. Mas, todos sabemos , que  cada vez mais que essa variáveis possuem diferenças pouco percebidas.  
 Resta o quê ? A  força da comunicação para fazer a diferença. 
Hoje, assistindo a palestra do Duda  Melzer da RBS, renovei a crença que nunca deixei de ter. Ele falou para um auditório lotado na Agas (Associação Gaúcha de Supermercados do RS) e mostrou cinco cases de sucesso que contemplam a força da comunicação como diferencial competitivo de empresas gaúchas de sucesso local e nacional. Lojas Colombo, Ducatti, Iesa , Stara e Lojas Renner.
Fui num happy hour e sai como uma happy aula. 

Desculpem o trocadilho mas, é a melhor definição para a palestra do Duda. Sintetizando:  “não adianta ter o melhor  produto, o melhor preço ou distribuição se você não construir sua marca e a preferência dos consumidores. Isso é feito  via comunicação. 
Para construir tal posição além, da mídia é necessário suporte inteligente. Inteligência de planejamento, de criação. 
Onde encontrar? Nas boas agências de propaganda. 
Independente do tamanho físico. 
Procure uma agência estruturada e coloque seu case na próxima palestra do Melzer.
Trilha com Pato Fu, Antes que seja tarde.
http://www.youtube.com/watch?v=ZwU8gqh8T08

quarta-feira, 14 de março de 2012

Makoto e esculturas de luz.



Makoto Tojiki nasceu em 1975 em Miyzaki, Japão, e graduou-se na Kinki Universty em 1998 como engenheiro de design industrial. 


Depois de uma temporada projetando eletrodomésticos, ele iniciou sua carreira artística em tempo integral em 2002. Em relação ao seu trabalho , ele diz “ Um objeto é visto quando os nossos olhos captam a luz que é refletida pelo objeto.


Achei , no Google, dez   trabalhos com cavalos, uma das minhas paixões, escolhi cnco.



Crédito para o site The Cool Hunter,  que me proporcionou conhecer o trabalho dessa fera.
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=6LrkgRd85zw